O domínio .br completa 30 anos. Saiba por que ele segue mais relevante do que nunca

O .br, nosso domínio de topo de país, espécie de assinatura da internet brasileira, celebra 30 anos de atividade. E os dados públicos e generosos comprovam que ele tem colhido os frutos do seu empenho: são 4 milhões de domínios registrados apenas na seção Genéricos, sendo 91% deles (3,68 milhões) terminados em .com.br; 1,98% (79 mil) terminados em net.br; e outros bons milhares que atendem por emp.br, org.br, eco.br e art.br.

Genéricos são maioria (94% dos domínios .br), é verdade, mas a lista de subdomínios é extensa. São 120, no total, dedicados aos serviços, negócios e ideias diversas dos brasileiros, e distribuídos em pilares como Cidades (0,79%), Universidades (0,10%), Pessoas Jurídicas (2,65%), Pessoas Físicas (0,31%) e Profissionais Liberais (2,02%).

O .br foi delegado ao Brasil quando a internet nem aqui existia. E para entender melhor e explicar aos leitores de Época Negócios por que ele continua tão relevante, conversei com um personagem fundamental dessa história, Demi Getschko, diretor-presidente do Núcleo de Informação e Coordenação do Ponto BR (NIC.br), braço executivo do CGI e que coordena os serviços da rede no Brasil.

“O .br é operado no Brasil, para os brasileiros, e em português. Temos excelência na operação e disponibilidade técnica dos mais de 4 milhões de domínios existentes. O atendimento aos nossos clientes é realizado por um time interno, nosso, extremamente capacitado. Como somos mais ‘duros’ do que a maioria dos demais registros (até porque somos sem fins lucrativos), os websites que assinam .br são bem mais confiáveis do que certos domínios ‘estranhos’.

Primeiro brasileiro a ter o nome incluído no Hall da Fama da Internet, honraria concedida pela Internet Society, Getschko observa que outro fator importante passa pela segurança jurídica: “O .br foi mantido apenas a brasileiros e empresas com CNPJ, reforçando a certeza de que ninguém abrirá uma pendência judicial em relação ao nome escolhido em algum lugar aleatório do mundo”.

Sendo assim, um negócio que use o .br como “sobrenome” pode ter certeza de que seu domínio será encontrável em toda a rede, o tempo todo.

Diferentemente do que ocorre em outros domínios, especialmente os genéricos, tudo que o NIC.br recebe do registro no .br (R$ 40,00 anuais por domínio), além de garantir a solidez da operação, é investido em ações e projetos que beneficiam as atividades relacionadas à infraestrutura da internet, como operação de pontos de troca de tráfego, tratamento de incidentes de segurança, estatísticas sobre o acesso e uso da internet no Brasil.

A solidez do serviço nacional é tamanha que, para efeito de comparação, o .br só perde hoje em termos de popularidade para Rússia (.ru), Países Baixos (.nl), Reino Unido (.uk), China (.cn), Alemanha (.de) e Tokelau (.tk) – este último, um arquipélago da Polinésia.

Redes sociais

Heavy user de redes sociais, pergunto a Demi Getschko quais as implicações para as pessoas físicas e jurídicas que substituíram seus websites por plataformas como Twitter, Facebook, LinkedIn e Instagram. “As redes sociais criaram ‘novas moradias’ que, num primeiro momento, pareceram um substituto aos endereços de domínios. Mas é importante mostrar que, se alguém ‘mora’ numa rede social, tem sua referência e depende dela. Se ela desaparece, ou se o usuário quer mudar de plataforma, lá se vai a identidade que buscou construir com afinco.”

Dessa forma, um usuário prevenido vale por vários. “É melhor ter algo definitivo como um domínio e, eventualmente, apontá-lo para o domicílio temporário que ocupa numa rede social”, ensina.

Primórdios

Pergunto ao diretor-presidente do NIC.br se, antes do .br, tudo era mato na internet brasileira. “Claro que não era mato! A Bitnet e a Hepnet, além de redes baseadas em UUCP, cresciam vigorosamente no Brasil. As primeiras restritas à área acadêmica e a UUCP mais ligada a ONGs, como a AAPC, o IBASE, entre outras.”

Demi Getschko reconhece, contudo, que até 1993 eram basicamente textos a circular virtualmente. A Web, declara, instigou o cidadão comum a colocar fotos, assistir vídeos, ouvir música e a criar websites. Com isso, surgiram milhões de usuários, produzindo e consumindo conteúdo, e gerando essa exuberância atual.

“As pessoas são, hoje, o elemento fundamental numa rede que, originalmente, ligava computadores.”

Por Marc Tawill, Texto publicado originalmente na minha coluna semanal ‘Futuro do Trabalho’, em Época Negócios

Gostou?
Compartilhe

Programador VBA

Administrador Website Programador VBA